OU AS SAÚVAS OU O BRASIL - #Dia15EuVou - OLHAR CONSERVADOR

sexta-feira, 6 de março de 2020

OU AS SAÚVAS OU O BRASIL - #Dia15EuVou


Resultado de imagem para brasil e as saúvas

por Delmo Fonseca

A permanência em cima do muro nunca foi de bom alvitre, embora nos tempos atuais não faltem incentivos para a prática do que se convencionou denominar de “isentismo”. Nas palavras do filósofo Olavo de Carvalho, “o isentismo é a mais mentirosa das ideologias”. Os famigerados “isentistas” optam pela zona cinzenta para não ter que encarar o preto e branco, o quente e frio, os secos e molhados da realidade. O isentista certamente se sente desconfortável diante dos versos da poeta Cecília Meirelles: “Ou se tem chuva e não se tem sol,/ ou se tem sol e não se tem chuva!/ Ou se calça a luva e não se põe o anel,/ ou se põe o anel e não se calça a luva!/ Quem sobe nos ares não fica no chão,/ quem fica no chão não sobe nos ares./ É uma grande pena que não se possa/ estar ao mesmo tempo nos dois lugares!  (trecho do poema “Ou isto ou aquilo”). Para o conservador, essa mesma constatação se aplica à binaridade de gênero: “Ou se é masculino ou se é feminino”.

OLAVO TEM RAZÃO

É evidente que a covardia dos isentistas repousa sobre a ideia de que é preciso ficar bem com todo mundo; afinal, todos os caminhos levam a Roma. Como observou o professor Olavo, “todo isentista é, na mais doce das hipóteses, um idiota útil, mas em geral é um bem remunerado traidor”. Diferentemente deste, o esquerdista revolucionário não esconde sua predileção pelo lado negro da Força, sua paixão pelo negativo, daí a razão pela qual a palavra “caos” soe como música em seus ouvidos moucos. Com a anuência dos isentistas vê-se a sombra do caos ganhando terreno em todas as áreas das ciências humanas, a começar pela linguística. Como bem observou Aristóteles a palavra "cão" não morde – numa clara alusão  de que o signo não é necessariamente o objeto que ele indica-, mas daí desconsiderar os signos como elementos estruturais da linguagem é instalar o caos. Por meio da palavra as relações adquirem significado, pois em determinados contextos uma palavra pode significar isto ou aquilo.

LÓGICA TORTUOSA

Posto isso, o que significa o termo “bandido” para a esquerda? É um tipo de rebelde que resiste à opressão capitalista. Você entende por que a esquerda revolucionária não vê sentido na condenação do ex-presidente Lula? Quando o mesmo Lula diz: "Eu não posso ver mais jovem de 14 e 15 anos assaltando e sendo violentado, assassinado pela polícia porque roubou um celular", você entende? O que dizer da “filósofa” e militante de esquerda, Marcia Tiburi, que expressamente afirmou: “Eu sou a favor do assalto. Não… eu penso assim: tem uma lógica no assalto: eu não tenho uma coisa que eu preciso, eu fui contaminado pelo capitalismo (…). Se você vai olhar a lógica interna do processo, sabe que isso seria justo, dentro de um contexto tão injusto." Por meio de sofismas, os esquerdistas expressam uma lógica tortuosa.


COMBATENDO SAÚVAS

Nessa toada, o banditismo à brasileira se sedimenta ao contar com os ativistas judiciais, também partidários das sombras, e a dubiedade dos isentistas. Muitos, em nome de um liberalismo progressista, fazem coro contra o esforço dos conservadores resistentes ao caos, seja no campo linguístico ou em outras áreas da ciência. Por esta razão é preciso se posicionar frente à nuvem cinzenta que se forma sobre as aspirações do segmento conservador brasileiro, que compõe a maioria da população. Percebe-se que a cada espirro do presidente Bolsonaro, por exemplo, uma ameaça de impeachment é aventada, sem contar as inúmeras sabotagens políticas, via obstrução do Congresso, órgãos de imprensa e judiciário. É hora de quem, ingenuamente, se encontra em cima do muro, escolher seu lado nessa luta. Parafraseando o naturalista francês, Auguste de Saint-Hilaire (1779-1853), que estudou as plantas do nosso país na primeira metade do século XIX, “ou o Brasil acaba com a saúva ou a saúva acaba com o Brasil”. Os conservadores não podem se isentar da responsabilidade de combater o bom combate, é preciso partir para cima das saúvas.  Ou isto ou aquilo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário