OS CRENTES ESQUERDISTAS E AS MIGALHAS QUE CAEM DA MESA DO PT - OLHAR CONSERVADOR

domingo, 19 de maio de 2019

OS CRENTES ESQUERDISTAS E AS MIGALHAS QUE CAEM DA MESA DO PT



por  Delmo Fonseca

Não é segredo para ninguém o fato de que a ideologia socialista procura sempre se reinventar a fim de realizar a famigerada revolução.  Porém, nas palavras do stalinista Carlos Marighella, há quatro princípios a serem observados[1]:

1.   o dever de todo revolucionário é fazer a revolução;
2.   não pedimos licença a ninguém para praticarmos atos revolucionários;
3.   só temos compromisso com a revolução;
4.   só agimos por meios revolucionários.

 Ao que parece, esse também é o mote dos crentes esquerdistas... “só temos compromisso com a revolução”.

E foi pensando na revolução que o PT recentemente promoveu o “1º Encontro de Evangélicos e Evangélicas do Partido dos Trabalhadores”, com o tema “O fenômeno religioso e as consequências políticas na sociedade brasileira: análises, estratégias e ações”[2]A intenção aqui não é analisar as incongruências e os discursos nonsenses a respeito dos paralelos traçados entre Cristo e Marx, mas pontuar o próprio evento em si.

Retornemos a Carlos Marighella que no seu discurso intitulado “A Religião, o Estado, a Família”[3], utiliza lentes marxistas para interpretar a seguinte perícope: “Pois mais fácil é passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus” (Lucas 18.24-25).  Eis o contorcionismo hermenêutico de Marighella: “O problema levantado por Jesus não era o do rico ser mau, nem o do rico não ser religioso, mas, precisamente, o fato do rico ser rico, do rico ser explorador.”

É precisamente por meio destas mesmas lentes que os crentes esquerdistas procuram enxergar a realidade. Sendo assim, não causa espanto ver tais crentes bradando “Lula Livre!” num evento petista.  Recai sobre os crentes esquerdistas a suspeita de que estes também fazem parte do contingente de “idiotas úteis” proposto por Lenin, senão vejamos: "Usaremos o ‘idiota útil’ na linha de frente. Incitaremos o ódio de classes. Destruiremos sua base moral, a família e a espiritualidade. Comerão as migalhas que caírem de nossas mesas. O Estado será Deus."

É triste saber que há crentes comendo migalhas que caem da mesa do PT, cujo deus é o Estado e, Lula, seu profeta.



[1]  “Pronunciamento do Agrupamento comunista de São Paulo”, in: Escritos de Carlos Marighella, p. 134.
[2] Evento promovido pelo Partido dos Trabalhadores, dias 5 e 6 de abril de 2019, em São Paulo.
[3] Discurso pronunciado na sessão de 4 de julho de 1946, na Assembleia Constituinte, por ocasião da discussão do projeto constitucional.  Fonte: Problemas - Revista Mensal de Cultura Política nº 2 - Setembro de 1947.

Nenhum comentário:

Postar um comentário